Pular para o conteúdo principal

A Princesa do Norte e o Conde

D. José Tupinambá da Frota
A casa em que morei, em Sobral - CE, no meu tempo de criança. Antiga residência da família Amaral, onde meu avô instalaria um hotel. 


Dom José Tupinambá da Frota - O visionário


Por ALima


Remexendo em meus alfarrábios, encontrei matéria relacionada a esse extraordinário homem, Bispo-conde da cidade de Sobral - uma figura realmente fantástica, e que, só agora, me toco quanto à sua real dimensão e importância no contexto da nossa História, eu que era apenas um menino quando o conheci.

Do ilustre religioso só me ficara cenas esparsas, relatos breves; aquela figura austera, silenciosa, na cadeira episcopal da Igreja da Sé; portas verdes; o Cruzeiro; o mármore; a brisa do Acaraú, ao fundo; os fícus-benjamins; a praça; o tamarineiro; a rua estreita; o Arco do triunfo, o Palácio Episcopal e eu correndo pelas ruas, gritando: Palhano, Palhano, Palhano. O filho adotivo de Dom José, que fazia piruetas num teco-teco, arremessando bolas e balas para os garotos que o ovacionavam. Palhano que também era padre e depois se tornou Prefeito de Sobral; e era da UDN, e apoiava o Jânio, e distribuía broches de vassourinhas no sobradão que também era a casa do venerável Bispo Dom José Tupinambá da Frota.

Dom José que fora colega de primário de meu avô Aniceto de Araújo Lima e a quem convidaria mais tarde para ser Professor em um dos vários colégios que fundaria na terra também de Domingos Olímpio, e sobre quem meu vô reputava uma das mais ilustres e cultas personalidades de todo o Ceará. Todos o respeitavam, sem exceção.

Lembro que havia em Sobral uma figura folclórica bastante popular e desvairada, por apelido"Zé Soldado", a quem os adultos também chamavam de "carniça" por seu estranho hábito de ingerir pinga e tirar o gosto com ratos, ou dormir entre as catacumbas do cemitério e que vivia a perambular pelas ruas metido numa túnica cáqui, portando um cassetete de milico como se quisesse impor a ordem, e berrando aos quatro ventos: "Quem manda em Sobral é Dom José Tupinambá da Frota e o cutruvial". 

Palavras que ficaram gravadas em mim, e que só agora, ao ler a matéria que mencionei acima, vim a compreender o quanto Dom José foi importante para o nosso Estado. A sua força moral. A figura venerável a quem até os malucos reverenciavam.  

Não entendia o porquê de Dom José "mandar" na Princesa do Norte, se não era Prefeito nem Deputado, a exemplo do Chico Monte, que habitava outro sobrado, quase vizinho ao do nobre Bispo, e que mandava, realmente, de uma outra forma que eu até entendia.

 Mandar - só agora compreendo - no sentido de fazer. Construir. Vislumbrar o futuro. Orientar o rebanho. Transformar completamente a face de uma cidade. Dom José plantou colégios, abrigos para desvalidos, jornais e construiu um dos mais completos museus sacros de nosso Estado.

Muito mais haverá de ser dito sobre esse homem notável, e com certeza o será.

Postagens mais visitadas deste blog

BUKOWSKI NUTRIA-SE DE POEMAS SUJOS E PROSTITUTAS DEPRAVADAS

Conto de Astolfo Lima

Aos treze anos, Bukowski disse, numa roda de garotos, que só haveria de se sentir plenamente realizado no dia em que acertasse uma bordoada de jeito na fuça do seu encardido genitor, um casca-grossa que costumava espichar-lhe o couro para escoar frustrações que lhe permeavam a vida chinfrim. "Let it be!"
Vociferou esse seu intento enquanto os colegas, um a um, perfilavam anseios mais brandos: um querendo se tornar aviador quando crescesse; outro, maquinista de trem; outro mais, artista de cinema, cantor de blues ou boxeur, e assim sucessivamente, como ocorre naquela fase inconsequente e pueril de todo adolescente. 
"Assim farei, ainda que necessite dar o fato como lastimável acidente doméstico, em que, postando-me ao corredor da casa, armado com fornido taco de beisebol, simularei rebatidas de bola como se desejasse não mais que aperfeiçoar jogadas para marcar presença no colégio, onde todos me discriminam por conta de minha pouca habilidade nesse …

T S ELIOT E AS EMANAÇÕES DELITUOSAS DE CHARLES BAUDELAIRE

Por Astolfo Lima


O casamento de T. S. Eliot e Vívien estava rachado desde 1922, porém os dois ainda se digeriam sob a mesma plataforma até o início da década de trinta. 
Ela, com fortes sinais de instabilidade mental, que se acentuara muito ao vir a público sua infidelidade ao marido, com Bertrand Russell. Eliot, insensível às coisas supostamente vãs, e uma crueldade que por vezes atingia pessoas mais próximas, como a desfeita a Ezra Pound, logo após o amigo adverti-lo de que "mutilar" as 92 linhas de "Death by Water", transformando-as em mísera estrofe, não fora ideia das melhores. 
Indignado com a intromissão do ex-amigo, Eliot simplesmente vociferou que o discurso de Pound apenas o incentivara a fazer as coisas do seu próprio jeito. 
O poeta Eliot, a esse tempo, como todo astro de maior envergadura, transitava entre seus pesadelos mais íntimos e a quase obsessão de agrupar em uma mesma arquitetura os emanações delituosas de Baudelaire, os slides etéreo-emblemáti…

CRÔNICAS DA PRIMEIRA JUVENTUDE: O PLAYBOY DA ALDEOTA

Por Astolfo Lima


Zé Bacurau andava mais afável ultimamente, algo raro num casca-grossa raivoso que tentava impor moral denunciando no Distrito Policial qualquer besteira que ocorresse no bairro. É que sua filha Zilá estava de namoro firme com o Valdecir, um ricaço da Aldeota, amigo de vários figurões da alta sociedade fortalezense, inclusive do prefeito. 
Mal apareceu em nossa rua, sob pretexto de procurar terreno para compra, o tal sujeito foi logo se enturmando com os frequentadores da bodega do Juarez, onde passou a comparecer nos fins de semana, oferecendo birita aos papudinhos, distribuindo balas pros meninos, e, claro, ganhando aos poucos todas as fanzocas de Wanderley Cardoso que havia nas imediações, inclusive a filha única do referido Bacurau, para desespero dos marmanjos mais velhos que babavam pela gostosona.
Zilá era, de fato, uma princesa: morena de olhos verdes, longos cabelos, corpo de sereia como se dizia naquele tempo, e também namoradinha secreta de nós outros, broch…