Pular para o conteúdo principal

DISCURSO METAFÍSICO DE UM BOMBARDINO

Por Astolfo Lima


Primeira vez que Jorge Luís Borges ouviu sobre irrealidade do mundo foi pela voz de Macedônio Fernandez, velho compatriota seu, tido como visionário por difundir teses supostamente estapafúrdias relacionadas à literatura, ao mesmo tempo em que se diluía, ele próprio, na confecção de primorosos versos de caráter fragmentário, com os quais propunha ao distinto público a relevante incumbência de decifrá-los ou conceder-lhes itinerário possível. Aquele lance de obra aberta, inacabada, ou intertextualidade –  conforme o jovem Borges haveria de assimilar, anos depois. 

"O texto de qualidade tem o mérito de reconstituir-se por si mesmo, daí o segredo de romper o tempo e propugnar a desnecessidade do artista enquanto agente apenas rubricador de conceitos aleatórios" – proferia o até então apenas excêntrico e obscuro Macedônio, reiterando em tom grave, entre uma baforada e outra de ordinário charuto guatemalteco: 

"Parto da premissa de que absolutamente tudo no universo das letras já foi estabelecido desde a fundação do mundo, cabendo à posteridade não mais que a insignificante tarefa de percorrer o imaginário coletivo, o que, no máximo, nos conduzirá a reflexões filosóficas ou ao preparo de poemas ocasionais. Nunca, porém, à elaboração de uma obra mais ampla, essencial, autêntica”.

Maravilhado com esse viés metafísico do velho poeta, que fora amigo íntimo de seu pai nos tempos de Faculdade, o primeiro impulso de Jorge Luís seria reescrever o Paraíso Perdido, de Milton, e depois estabelecer intermináveis diálogos com Spinoza, Virgílio e Luís de Camões, deixando para uma fase posterior os enxertos enciclopédicos nos livros de maior envergadura estética. 

Escrever contos, romances ou poesia, portanto, seria mera profilaxia para Borges. Espécie de busca da arte como invenção e não simplesmente para negar os rudimentos naturalistas da ficção mais tradicional. Ou para repelir os escritores que trabalham no limite do verossímil. Ou seja: de Macedôno Fernandes, Borges assumiria inclusive o discurso verbal.

-------------

Literatura Brasileira Contemporânea e Música Universal. Poesia e Contos.

Postagens mais visitadas deste blog

BUKOWSKI NUTRIA-SE DE POEMAS SUJOS E PROSTITUTAS DEPRAVADAS

Conto de Astolfo Lima

Aos treze anos, Bukowski disse, numa roda de garotos, que só haveria de se sentir plenamente realizado no dia em que acertasse uma bordoada de jeito na fuça do seu encardido genitor, um casca-grossa que costumava espichar-lhe o couro para escoar frustrações que lhe permeavam a vida chinfrim. "Let it be!"
Vociferou esse seu intento enquanto os colegas, um a um, perfilavam anseios mais brandos: um querendo se tornar aviador quando crescesse; outro, maquinista de trem; outro mais, artista de cinema, cantor de blues ou boxeur, e assim sucessivamente, como ocorre naquela fase inconsequente e pueril de todo adolescente. 
"Assim farei, ainda que necessite dar o fato como lastimável acidente doméstico, em que, postando-me ao corredor da casa, armado com fornido taco de beisebol, simularei rebatidas de bola como se desejasse não mais que aperfeiçoar jogadas para marcar presença no colégio, onde todos me discriminam por conta de minha pouca habilidade nesse …

T S ELIOT E AS EMANAÇÕES DELITUOSAS DE CHARLES BAUDELAIRE

Por Astolfo Lima


O casamento de T. S. Eliot e Vívien estava rachado desde 1922, porém os dois ainda se digeriam sob a mesma plataforma até o início da década de trinta. 
Ela, com fortes sinais de instabilidade mental, que se acentuara muito ao vir a público sua infidelidade ao marido, com Bertrand Russell. Eliot, insensível às coisas supostamente vãs, e uma crueldade que por vezes atingia pessoas mais próximas, como a desfeita a Ezra Pound, logo após o amigo adverti-lo de que "mutilar" as 92 linhas de "Death by Water", transformando-as em mísera estrofe, não fora ideia das melhores. 
Indignado com a intromissão do ex-amigo, Eliot simplesmente vociferou que o discurso de Pound apenas o incentivara a fazer as coisas do seu próprio jeito. 
O poeta Eliot, a esse tempo, como todo astro de maior envergadura, transitava entre seus pesadelos mais íntimos e a quase obsessão de agrupar em uma mesma arquitetura os emanações delituosas de Baudelaire, os slides etéreo-emblemáti…

CRÔNICAS DA PRIMEIRA JUVENTUDE: O PLAYBOY DA ALDEOTA

Por Astolfo Lima


Zé Bacurau andava mais afável ultimamente, algo raro num casca-grossa raivoso que tentava impor moral denunciando no Distrito Policial qualquer besteira que ocorresse no bairro. É que sua filha Zilá estava de namoro firme com o Valdecir, um ricaço da Aldeota, amigo de vários figurões da alta sociedade fortalezense, inclusive do prefeito. 
Mal apareceu em nossa rua, sob pretexto de procurar terreno para compra, o tal sujeito foi logo se enturmando com os frequentadores da bodega do Juarez, onde passou a comparecer nos fins de semana, oferecendo birita aos papudinhos, distribuindo balas pros meninos, e, claro, ganhando aos poucos todas as fanzocas de Wanderley Cardoso que havia nas imediações, inclusive a filha única do referido Bacurau, para desespero dos marmanjos mais velhos que babavam pela gostosona.
Zilá era, de fato, uma princesa: morena de olhos verdes, longos cabelos, corpo de sereia como se dizia naquele tempo, e também namoradinha secreta de nós outros, broch…