Pular para o conteúdo principal

Pelo Resgate do Ceará Moleque

Ilustração de ALima


Por ALima


Não se assuste quando você vir um autêntico cearense, aparentemente raivoso, descendo a lenha nas coisas do seu estado. Tudo da boca para fora, porque em temos de "bairrista", ninguém mais que o cabeça-chata. Talvez só percamos para os baianos, e assim mesmo tenho cá as minhas dúvidas.

Acontece é que os verdadeiros amantes desta terra, sobretudo nós que residimos em Fortaleza, estamos nos sentindo estupidamente traídos por aqueles que arvoraram para si o direito de ditarem todos os nossos rumos, seja nos esportes, nas artes, na política, na nossa qualidade de vida, enfim, na nossa cultura de um modo geral. 

Um conterrâneo nosso que tivesse se ausentado daqui na década de oitenta, por exemplo, e que para cá retornasse só agora, por certo tomaria o maior susto com a padronização dos nossos "gostos", da nossa maneira de ser, que ficaram idênticas a dos outros povos que habitam os demais estados da federação. 

Constataria de imediato que deixamos de ser genuinamente cearenses para nos transformarmos apenas em mais uma reca de brasileiros globalizados em tudo pela famigerada TV Globo, até na mediocridade. 

Nem o nosso autêntico forró escapou: adquiriu ares de axé ou carimbó (respeitáveis manifestações, claro, mas em outro contexto), enquanto aquele decantado espírito moleque que muito nos orgulhava está cedendo lugar a uma espécie de humor canalha, e o nosso futebol se tornando domínio de oportunistas de todos os calibres. Ah, o nosso futebol! 

O que fizeram com esse esporte chega a ser um crime de lesa-Estado. Um verdadeiro atentado contra toda uma imensa legião de torcedores que colocaram o Ceará Sporting Club e o Fortaleza Esporte Clube entre os maiores times do Brasil, ou seja: temos uma torcida de primeira e um futebol de quinta categoria, por conta de certos oportunistas que fizeram de nossos clubes meros comitês eleitorais. Domínio de vivaldinos, todos se dizendo salvador da pátria mas querendo apenas se projetar no cenário político ou angariarem publicidades para seus negócios particulares. 

E o pior é que a torcida sempre elege alguns sujeitos, mesmo sabendo que logo em seguida eles desaparecerão deixando rombos imensos por conta de contratações absurdas, dívidas trabalhistas e outras mais. 

Eles "contratam" um perna-de-pau" por uma grana preta, geralmente um refugo do sul, e que depois ainda porá o time na justiça. Uma história que vem se repetindo ao longo de décadas, sem que se levante qualquer voz na imprensa, para denunciá-la, como se fosse algo devidamente combinado, com "respaldo" de uma crônica esportiva de mentirinha e tudo mais. Uma lástima. 

E o que nos causa mais revolta é por sabermos que nenhum outro grande time do Brasil, a exemplo de São Paulo, Corinthians ou Palmeiras lotariam um estádio, no brasileirão, como faríamos nós diante de um Fortaleza X Ceará, se esses péssimos dirigentes não tivessem trucidado o nosso futebol.

Postagens mais visitadas deste blog

BUKOWSKI NUTRIA-SE DE POEMAS SUJOS E PROSTITUTAS DEPRAVADAS

Conto de Astolfo Lima

Aos treze anos, Bukowski disse, numa roda de garotos, que só haveria de se sentir plenamente realizado no dia em que acertasse uma bordoada de jeito na fuça do seu encardido genitor, um casca-grossa que costumava espichar-lhe o couro para escoar frustrações que lhe permeavam a vida chinfrim. "Let it be!"
Vociferou esse seu intento enquanto os colegas, um a um, perfilavam anseios mais brandos: um querendo se tornar aviador quando crescesse; outro, maquinista de trem; outro mais, artista de cinema, cantor de blues ou boxeur, e assim sucessivamente, como ocorre naquela fase inconsequente e pueril de todo adolescente. 
"Assim farei, ainda que necessite dar o fato como lastimável acidente doméstico, em que, postando-me ao corredor da casa, armado com fornido taco de beisebol, simularei rebatidas de bola como se desejasse não mais que aperfeiçoar jogadas para marcar presença no colégio, onde todos me discriminam por conta de minha pouca habilidade nesse …

T S ELIOT E AS EMANAÇÕES DELITUOSAS DE CHARLES BAUDELAIRE

Por Astolfo Lima


O casamento de T. S. Eliot e Vívien estava rachado desde 1922, porém os dois ainda se digeriam sob a mesma plataforma até o início da década de trinta. 
Ela, com fortes sinais de instabilidade mental, que se acentuara muito ao vir a público sua infidelidade ao marido, com Bertrand Russell. Eliot, insensível às coisas supostamente vãs, e uma crueldade que por vezes atingia pessoas mais próximas, como a desfeita a Ezra Pound, logo após o amigo adverti-lo de que "mutilar" as 92 linhas de "Death by Water", transformando-as em mísera estrofe, não fora ideia das melhores. 
Indignado com a intromissão do ex-amigo, Eliot simplesmente vociferou que o discurso de Pound apenas o incentivara a fazer as coisas do seu próprio jeito. 
O poeta Eliot, a esse tempo, como todo astro de maior envergadura, transitava entre seus pesadelos mais íntimos e a quase obsessão de agrupar em uma mesma arquitetura os emanações delituosas de Baudelaire, os slides etéreo-emblemáti…

CRÔNICAS DA PRIMEIRA JUVENTUDE: O PLAYBOY DA ALDEOTA

Por Astolfo Lima


Zé Bacurau andava mais afável ultimamente, algo raro num casca-grossa raivoso que tentava impor moral denunciando no Distrito Policial qualquer besteira que ocorresse no bairro. É que sua filha Zilá estava de namoro firme com o Valdecir, um ricaço da Aldeota, amigo de vários figurões da alta sociedade fortalezense, inclusive do prefeito. 
Mal apareceu em nossa rua, sob pretexto de procurar terreno para compra, o tal sujeito foi logo se enturmando com os frequentadores da bodega do Juarez, onde passou a comparecer nos fins de semana, oferecendo birita aos papudinhos, distribuindo balas pros meninos, e, claro, ganhando aos poucos todas as fanzocas de Wanderley Cardoso que havia nas imediações, inclusive a filha única do referido Bacurau, para desespero dos marmanjos mais velhos que babavam pela gostosona.
Zilá era, de fato, uma princesa: morena de olhos verdes, longos cabelos, corpo de sereia como se dizia naquele tempo, e também namoradinha secreta de nós outros, broch…