Pular para o conteúdo principal

Colonizadores

Mania de colonização

Por ALimaS

Nos primórdios do nosso Brasil os espanhóis já nos exploravam de todas as formas, e os compêndios de História estão repletos desses relatos. 

Aquela coisa de nos considerarem cidadãos de segunda categoria, aborígines, incultos etc. 

O tempo passou, veio a modernidade e eles permaneceram com a mesma mentalidade. Acham-se no direito de nos humilhar, e para isso podemos dizer que existe uma forte contribuição de parte considerável de uma imprensa brasileira altamente entreguista, comprometida com outros interesses que não o de bem informar à sociedade. 

A TV e os jornais de papel são fartos em expor para o mundo apenas o lado mais negativo do nosso país e de seu povo. Só falam em políticos corruptos, governantes incapazes, bandidos desalmados, presídios superlotados de facínoras etc.

Propagam que somos uma pátria de desclassificados, prostitutas, escroques e tudo que não presta. 

Quando "amenizam", mostram apenas milionários jogadores de futebol, Escolas de Samba ou moçoilas seminuas, atraindo para cá exatamente a escória internacional que pratica o turismo sexual. E o que é pior: ainda endossam a infâmia de colegas seus da imprensa mundial, como fizeram em tantos episódios, a exemplo da agressão de um repórter americano que estampou foto de nosso Presidente da República empunhando um copo, como se fosse ele (nossa maior autoridade) um indigno, incompetente e irresponsável Chefe de Estado. Atacaram de modo torpe o nosso Presidente quando esse apenas buscava retratação por parte de um caluniador. 

Assim sendo, não é de se admirar que trogloditas estrangeiros escorracem nossos compatriotas como se fôssemos reles bandidos, indignos de fazer turismo ou estudarmos na Europa. Por outro lado, continuam eles (elementos de outras nacionalidades) a entrarem livremente em nosso território. A comprarem nossas terras, nossas empresas mais lucrativas, tudo a preço de banana. A explorarem os mais variados negócios (sabe-se lá que tipo) e a usarem uma mão de obra competente e aviltada no seu honrado trabalho.

Sei que sou apenas uma gota dágua no oceano, mas queria lavrar aqui o meu mais veemente protesto contra essa atitude estúpida dos exploradores, e exigir que as nossas autoridades ajam com rigor nesse deplorável episódio.

Postagens mais visitadas deste blog

BUKOWSKI NUTRIA-SE DE POEMAS SUJOS E PROSTITUTAS DEPRAVADAS

Conto de Astolfo Lima

Aos treze anos, Bukowski disse, numa roda de garotos, que só haveria de se sentir plenamente realizado no dia em que acertasse uma bordoada de jeito na fuça do seu encardido genitor, um casca-grossa que costumava espichar-lhe o couro para escoar frustrações que lhe permeavam a vida chinfrim. "Let it be!"
Vociferou esse seu intento enquanto os colegas, um a um, perfilavam anseios mais brandos: um querendo se tornar aviador quando crescesse; outro, maquinista de trem; outro mais, artista de cinema, cantor de blues ou boxeur, e assim sucessivamente, como ocorre naquela fase inconsequente e pueril de todo adolescente. 
"Assim farei, ainda que necessite dar o fato como lastimável acidente doméstico, em que, postando-me ao corredor da casa, armado com fornido taco de beisebol, simularei rebatidas de bola como se desejasse não mais que aperfeiçoar jogadas para marcar presença no colégio, onde todos me discriminam por conta de minha pouca habilidade nesse …

T S ELIOT E AS EMANAÇÕES DELITUOSAS DE CHARLES BAUDELAIRE

Por Astolfo Lima


O casamento de T. S. Eliot e Vívien estava rachado desde 1922, porém os dois ainda se digeriam sob a mesma plataforma até o início da década de trinta. 
Ela, com fortes sinais de instabilidade mental, que se acentuara muito ao vir a público sua infidelidade ao marido, com Bertrand Russell. Eliot, insensível às coisas supostamente vãs, e uma crueldade que por vezes atingia pessoas mais próximas, como a desfeita a Ezra Pound, logo após o amigo adverti-lo de que "mutilar" as 92 linhas de "Death by Water", transformando-as em mísera estrofe, não fora ideia das melhores. 
Indignado com a intromissão do ex-amigo, Eliot simplesmente vociferou que o discurso de Pound apenas o incentivara a fazer as coisas do seu próprio jeito. 
O poeta Eliot, a esse tempo, como todo astro de maior envergadura, transitava entre seus pesadelos mais íntimos e a quase obsessão de agrupar em uma mesma arquitetura os emanações delituosas de Baudelaire, os slides etéreo-emblemáti…

CRÔNICAS DA PRIMEIRA JUVENTUDE: O PLAYBOY DA ALDEOTA

Por Astolfo Lima


Zé Bacurau andava mais afável ultimamente, algo raro num casca-grossa raivoso que tentava impor moral denunciando no Distrito Policial qualquer besteira que ocorresse no bairro. É que sua filha Zilá estava de namoro firme com o Valdecir, um ricaço da Aldeota, amigo de vários figurões da alta sociedade fortalezense, inclusive do prefeito. 
Mal apareceu em nossa rua, sob pretexto de procurar terreno para compra, o tal sujeito foi logo se enturmando com os frequentadores da bodega do Juarez, onde passou a comparecer nos fins de semana, oferecendo birita aos papudinhos, distribuindo balas pros meninos, e, claro, ganhando aos poucos todas as fanzocas de Wanderley Cardoso que havia nas imediações, inclusive a filha única do referido Bacurau, para desespero dos marmanjos mais velhos que babavam pela gostosona.
Zilá era, de fato, uma princesa: morena de olhos verdes, longos cabelos, corpo de sereia como se dizia naquele tempo, e também namoradinha secreta de nós outros, broch…