Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2007

Padaria Espiritual - Estatutos - Livros

Antonio Sales e sua turma se reuniam no Café Java, mas a Instalação da Padaria Espiritual aconteceu na Rua Formosa (atual Barão do Rio Branco), número 105. Foi onde o autor de Aves de Arribação redigiu os famosos Estatutos, que foram transcritos em jornal do Rio de Janeiro, dando mais status ao movimento, cujo lema era "alimentar com pão o espírito dos sócios e da população em geral". Também ficou estabelecido que se usariam nesse Grêmio os mesmos termos das padarias normais:


Forno: a sede do movimento

Padeiro-mor: o presidente

Forneiros: os secretários

Gaveta: tesoureiro

Investigador das cousas e das gentes: bibliotecário

Amassadores: sócios


No período em que funcionou a Padaria Espiritual foram lançados alguns livros que marcam bem o Movimento. São eles:

Phantos (1893), de Lopes Filho, primeiro livro simbolista publicado no Brasil, antes mesmo dos Broquéis de Cruz e Souza.

Marinhas (1897), de Antônio de Castro

Flocos (1894), de Sabino Batista

Contos do Ceará (1894)…

Especial: Jáder de Carvalho

 Ligeira Biografia do Poeta
JÁDER DE CARVALHO Nasceu em Quixadá, 29/12/1901 e faleceu em Fortaleza (07/08/85). Socialista da melhor cepa, o poeta fundou os jornais O Combate, A Esquerda ,e Diário do Povo - em que atuou ao melhor estilo de João Brígido (sobre quem escreveria magnífica antologia). Homem valente, destemido marcou colado os maus governantes e políticos desta terra de sol, fosse através de artigos na imprensa ou pelo arrojo de sua oratória. 
Jornalista desassombrado, tinha ainda à cultura do sociólogo, que se fariam fundamentais quando de sua viagem pelo romance e a poesia. 
Em 1928, em parceria com outros pioneiros do movimento modernista no Ceará, lançou O Canto Novo da Raça; em 1931, Terra de Ninguém, e, a estes, seguiram-se vários outros livros de versos nos quais o poeta sempre cantaria a sua terra e o seu povo. 
Sobre Terra Bárbara, de 1982, Paulo Ronai teceu a seguinte apreciação: "Para o poeta não há espanto, deslumbramento, gozo, horror, medo, iguais ao do sertão…